2011-02-16 • Nelson com mínimos para Paris
O Nacional de Clubes da 1ª Divisão disputou-se na Expocentro, em Pombal, com a presença dos melhores atletas nacionais. Nelson Évora participou nas duas jornadas, já que o Benfica solicitou também a sua presença para o salto em comprimento, para tentar bater a concorrência mais directa. SALTO EM COMPRIMENTO UM ANO E MEIO DEPOIS Nelson Évora voltou ao salto em comprimento, depois de em Seixal, em 2009, ter feito a sua última prova da especialidade, na altura com 7.94 metros. Desta vez participou em pista coberta, numa altura em que ainda progride na sua forma desportiva. O concurso foi feito em progressão, numa disputa directa com Gaspar Araújo (Sporting). Começou com 7.26 metros e no segundo ensaio ultrapassou o sportinguista, quando saltou 7.59 metros, mais três centímetros que Araújo. Ao terceiro ensaio, Nelson progrediu ainda para os 7.67 metros, sem resposta de Araújo mais forte. Chegado ao último ensaio, o nulo de Nelson Évora foi respondido por Gaspar Araújo com 7.72 metros, terminando o sportinguista com os 8 pontos, mas conseguindo Nelson Évora 7 pontos importantes para a sua equipa. 16.69 METROS APENAS COM 16 PASSADAS A paciência em treino tem permitido a Nelson Évora melhorar índices de velocidade, aliados a uma nova corrida à qual ainda não se sente adaptado. Na 2ª jornada foi no triplo salto, a sua especialidade, que tentou melhorar e conseguiu dois objectivos : melhor marca da época e mínimos para os Europeus de Pista Coberta. Fez dois ensaios acima dos 16 metros (16.36 e 16.69 metros), as duas únicas válidas, já que fez dois nulos. O saltador português obteve os 8 pontos para o Benfica, ajudando a sua equipa a quase ter arrecadado a vitória neste Nacional de Clubes. Sobre as provas, Nelson estava feliz pelo progresso da preparação e no caso do triplo sem a corrida completa. Em Osaka, quando disputou o Mundial de Ar Livre, Nelson utilizou 22 passadas, em Pequim, quando foi campeão olímpico, utilizou 20 passadas e neste momento está a utilizar apenas 16 passadas, que implicam menor velocidade de aproximação à tábua. “É uma corrida a que ainda me estou a adaptar...” De Pombal sairam, assim, boas indicações para o que possa acontecer em próximas competições e para Nelson Évora a presença em Paris dependerá essencialmente do seu momento de forma perto do momento do Europeu de Pista Coberta, onde o principal objectivo é sentir-se capaz de estar na final.