2011-08-27 • Quarto Mundial, segundo no Oriente
Daegu, na Coreia do Sul, vai ser o segundo Mundial que Nelson Évora disputará no Oriente, depois de Osaka, em 2007, onde se sagrou campeão do mundo do triplo salto. A sequência de Mundiais de Nelson Évora é composta por Helsínquia 2005, Osaka 2007, Berlim 2009 e agora Daegu 2011. HELSÍNQUIA FOI APENAS NA QUALIFICAÇÃO, COM 21 ANOS... Com 21 anos o saltador Nelson Évora era um desconhecido, embora uma jovem esperança do atletismo nacional. Esteve apenas na qualificação para o triplo salto onde os seus 16.60 metros não chegaram para atingir a final, mas foi uma das primeiras grandes aventuras internacionais, após ter estado nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004. OSAKA FOI O PALCO PARA O JOVEM ‘OUTSIDER’ BATER OS MAIS VELHOS... Quando chegou a Osaka (Japão), Nelson Évora estaria longe de ter tanta certeza que seria o local que mudaria a sua carreira desportiva. A qualificação, a 25 de Agosto de 2007, ditaria que o português estava realmente num bom momento de forma, ao passar à final com 17.22 metros. A final, dois dias depois, mostraria Nelson Évora ao Mundo e para todo o país poder vibrar com os 17.74 metros, novo recorde de Portugal e uma vitória muito importante para as cores nacionais. Foi o auge em Mundiais para Nelson Évora, o momento em que o “outsider” mostra que deixaria de o ser a partir do momento em que conquistou o Ouro... EM BERLIM SÓ IDOWU RETIROU O SONHO DO BICAMPEONATO Chegado a Berlim com o estatuto de campeão do Mundo a única coisa que Nelson Évora poderia fazer para melhorar era ampliar o seu recorde pessoal, mantendo o Ouro. A qualificação ocorreu a 16 de Agosto de 2009 e prometeu muito para a final, já que Nelson obteve excelentes 17.44 metros, que o fizeram sonhar, como a todos os seus apoiantes. A final, dois dias depois, mostraram Nelson Évora combativo, mas sem conseguir dar aquela volta ao resultado. A medalha de prata também lhe ficou bem no peito e os 17.55 metros só mostram que o vitorioso, o britânico Philips Idowu, venceu com uma enorme justiça. Ao contrário do que ocorrera com Idowu em Pequim no ano anterior, durante os Jogos Olímpicos, Nelson Évora respeitou o bom resultado do seu adversário e valorizou a sua prestação... E AGORA EM DAEGU? Daegu significa para Nelson Évora o regresso ao Oriente, onde tem boas experiências desportivas e onde conquistou parte do seu grande historial como atleta. Já confessou que este é como que um amuleto, mas depois do que fez nas Universíadas o português pode muito bem pensar numa presença na final e depois...logo se vê! Serão 31 atletas a tentar chegar à final do triplo salto e Nelson Évora é um deles, sendo que apenas dez não cumpriram esta época os 17 metros, distância que o português não ultrapassou com regularidade após problemas físicos e familiares, que tornaram 2010 e 2011 em anos de sacrifício ou mesmo a “travessia do deserto” como chegou a apelidar. Os nomes são muitos e esta disciplina já mostrou muitas vezes que mais do que ser melhor durante a época, é preciso mostrar a qualidade no dia. Ao longo da época os cinco atletas que mais se destacaram, dos inscritos, foram o cubano Alexis Copello (17.68 metros), o italiano Fabrizio Donato (17.73 metros), o romeno Marian Oprea (17.62 metros), o jovem ucraniano Sheryf el-Sheryf (17.72 metros) e o norte-americano Christian Taylor (17.68 metros). A final tem lugar para 12 e a única certeza que existe é que Nelson Évora quer ser um deles... PROGRAMA: Triplo (Qualificação) – 2 de Setembro (02:30, hora portuguesa) Triplo (Final) – 4 de Setembro (11:05, hora portuguesa)